ALGAVALOR

MicroALGAs: produção integrada e VALORização da biomassa e das suas diversas aplicações | MicroALGAs: integrated production and valuation of biomass and its various applications
Acrónimo: 
ALGAVALOR
Ano de início: 
2018
Ano de fim: 
2021
Tipo de projeto: 
Nacional
Investigador principal: 
CMP - CIMENTOS MACEIRA E PATAIAS S.A.
Coordenação MARE: 
Maria Manuel Gil
Instituições participantes: 
CMP - CIMENTOS MACEIRA E PATAIAS S.A., CIIMAR - CENTRO INTERDISCIPLINAR DE INVESTIGAÇÃO MARINHA E AMBIENTAL; UA - UNIVERSIDADE DE AVEIRO; UM - UNIVERSIDADE DO MINHO; UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA; UP - UNIVERSIDADE DO PORTO; ISA - INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA; UALG - UNIVERSIDADE DO ALGARVE; LNEG - LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA I.P.; IPL - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA; NECTON - COMPANHIA PORTUGUESA DE CULTURAS MARINHAS S.A.; VALORGADO - AGRICULTURA E PECUÁRIA, LDA; LIPOR - SERVIÇO INTERMUNICIPALIZADO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DO GRANDE PORTO; CASTELBEL - ARTIGOS DE BELEZA, S.A.; EM - ERNESTO MORGADO, S.A.; EFP - EMPRESA FIGUEIRENSE DE PESCA LDA; ALLMICROALGAE - ALLMICROALGAE NATURAL PRODUCTS, S.A.; INIAV - INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA, I.P.; VAISA - AGRICULTURA INTENSIVA, S.A.; NARCISO - NARCISO DIAS & FILHOS LDA
Entidade financiadora: 
FEDER
Estado: 
A decorrer
Resumo: 

O projeto ALGAVALOR tem como objetivo geral a produção integrada de microalgas e a valorização da sua biomassa e extratos em diferentes aplicações, estando previsto o desenvolvimento e lançamento de novos produtos nos mercados da alimentação humana, nutrição animal, cosmética e biofertilizantes. Para o efeito, são propostos novos processos produtivos, com sustentabilidade acrescida. Este objetivo geral pode ser desagregado num conjunto de objetivos específicos, a concretizar através de diferentes subprojetos (SP):

  • Valorização de microalgas para alimentação humana (SP 1);
  • Valorização de microalgas para alimentação animal (SP 2);
  • Valorização de microalgas para cosmética natural (SP 3);
  • Desenvolvimento de novos processos, incluindo reatores abertos de “nova geração” e otimização dos
  • processos existentes, tendo em vista a obtenção de ganhos de escala e eficiência (SP 4);
  • Desenvolvimento de biofertilizantes agrícolas a partir de microalgas e aproveitamento de resíduos agroindustriais como inputs para a produção de “microalgas biológicas” numa lógica de economia
  • circular (SP 5);
  • Gestão do projeto, disseminação e valorização de resultados (SP 6).
Mais informação